ASSINE O JORNAL IMPRESSO

SEMESTRAL R$ 75,00

ANUAL R$ 135,00

(48) 3535-1256


Covid-19 matou em três meses mais pessoas que o H1N1 em 1 ano e meio

Saúde

511

há 12 dias


24/03/2020 12h42


Fatores como aumento da população, da globalização e a inexistência de vacinas e tratamentos eficazes contribuem para a maior letalidade do Sars-CoV-2

 

O Sars-CoV-2, vírus causador da Covid-19, já fez em cerca de quatro meses quase tantas vítimas quanto o H1N1 durante um surto que durou 16 meses entre 2009 e 2010. Na época foram 18.449 mortes (2.160 delas no Brasil), segundo dados da OMS. Já a Covid-19 vitimou 17.241 pessoas em todo o mundo, 34 delas no Brasil, segundo os números mais recentes.

 

Há vários fatores que explicam o alto número de mortes na atual pandemia. Quando o surto de H1N1 começou, o vírus já era conhecido, e havia tanto medicamentos para o tratamento (como o Tamiflu e Relenza). O vírus era mais similar ao vírus da gripe que já circulava, o que conferia imunidade a certa parcela da população, e uma vacina em desenvolvimento, que foi distribuída à população já em 2010.

 

Não há até o momento nem vacina, nem um tratamento eficaz contra o Sars-CoV-2. O melhor que pode ser feito é controlar os sintomas mais graves (como pneumonia) e esperar que o organismo se livre naturalmente do invasor. Infelizmente, para muitas pessoas, não há tempo hábil para que isso aconteça.

 

Reprodução

Além disso, o aumento da globalização facilitou a disseminação da Covid-19. “O número de viagens é ainda maior, a globalização é ainda maior. Quase o mundo inteiro, menos a Antártica, tem casos. Favorece a disseminação”, disse Cristiana Meirelles, infectologista pediátrica formada no Instituto Fernandes Figueira da Fiocruz ao UOL.

 

De acordo com a OMS, a letalidade do Sars-CoV-2 é de 4,31%, levando em consideração os casos oficiais. Na época, a letalidade do H1N1 era estimada em 2,8%. Entretanto, estudos posteriores sugerem um número muito maior de casos, o que colocaria a letalidade em 0,026%.

Fonte: Olhar Digital

Compartilhe esta notícia



Voltar


Copyright 2019 - Todos os direitos reservados - Jornal Volta Grande