ASSINE O JORNAL IMPRESSO

SEMESTRAL R$ 75,00

ANUAL R$ 135,00

(48) 3535-1256


Navio com arroz da região segue para Guatemala

Agro Noticias

há 1 mês


13/08/2020 20h46


Região- Os agricultores que já estavam contentes com o preço do arroz agora estão mais ainda, isso porque está sendo carregado no Porto de Imbituba o navio que seguirá para Guatemala com 300 mil sacas de arroz com casca, será uma grande exportação do produto de nossa região. Segundo Otávio Feldmann, um dos responsáveis por esse carregamento, ele que é empresário, dono da empresa Safra Cereais, que é do ramo de compra e venda de arroz, há 40 anos. Tendo sua empresa estabelecida em Sapiranga, Distrito de Meleiro, disse que os agricultores estão satisfeitos com o preço que está sendo pago. “Estaremos exportando para o país da Guatemala na América Central, um navio com 300 mil sacas de arroz em casca, estamos esperando todo esse arroz ser transportado até o Porto de Imbituba onde estamos carregando o navio, que deverá seguir viagem nos próximos dias. Dentro dos padrões de limpeza, este arroz tem 72% de renda, 59% de grãos inteiro e apenas 1,5% de impureza.” explica Otávio.

 

Para Dionísio Bressan e Aclis, “o preço bom do arroz, todo mundo ganhou um pouco de dinheiro, mas a realidade ainda é de dificuldade por um preço justo, que só vai ser resolvido quando o Brasil consolidar com o mercado internacional. Assim também é com a soja, o milho e o trigo. Com esse objetivo desde 2018 estamos exportando, tivemos dois navios em 2018 e mais um agora. Arroz em casca, somos a única cooperativa que está exportando em SC. Com relação ao preço, melhorou justamente por que estamos fazendo a exportação. Com a soja é o mesmo contexto e a mesma situação, a rotação com a soja é muito importante também para o arroz.”

 

 Parcerias que dão certo

 

 

Uma parceria com os produtores do Sul Catarinense e da grande Porto Alegre. Segundo, Otavio, graças a Copagro de Tubarão no qual quero agradecer aos Presidente Dionísio Bressan e seu superintendente Aclis que tem toda uma estrutura para armazenamento na BR 101, próximo ao Porto de Imbituba, o que facilita muito. Há 2 anos eles já nos ajudaram a enviar para a Venezuela e agora unidos novamente mais uma grande exportação de arroz.  “Acreditamos também que com esta exportação em casca, o mercado interno melhore e permaneça com o valor de R$ 80,00 a saca de 50 kg e tudo isso devido a nossa exportação. Esta então é uma boa notícia para os produtores de arroz que além de vender o seu arroz no mercado interno agora também poderão exportar, ganhar mais, assegurar o preço e mostrar o seu produto lá fora,” completa o empresário.  Este ano as indústrias de arroz da região:  Arroz Rampinelli, Arroz Kika, Catarinão, Panelaço  e outras, também fizeram exportações para outros países, o que só ajuda o produtor.

 

 Brasileiro está comendo mais arroz

 

 

Otávio disse que com esta pandemia a alimentação do brasileiro voltou a ser como antigamente, mais arroz com feijão, o que é bom para a saúde do brasileiro. Nunca se viu tanto consumo de arroz, como está sendo este ano. O Brasileiro com medo de ir a restaurantes, pizzarias e lancherias, tem consumido mais arroz. O consumo per capita de arroz no Brasil em 2019 foi de 34 quilos por pessoa. A Abiarroz destaca que a pesquisa aponta um cenário positivo para o crescimento da demanda por arroz no mercado interno. Entre os fatores que reforçam esta tendência, está o fato de o produto ser considerado acessível, barato e oferecer saciedade.

 

“A pandemia tem sido ruim pra todo mundo. E é claro que isso limita algumas atividades, mas dentro dos critérios sanitários procuramos desenvolver nosso trabalho e tem se conseguido fazer. Até pode se dizer que pro agronegócio a pandemia mundial acaba sendo uma oportunidade de negócios, não que vá se ganhar dinheiro por conta da pandemia, mas a necessidade das pessoas procurarem por setores alimentícios permite isso”, disse Dionisio Bressan Lemos da Copagro.

Fonte: jornal Volta Grande

Compartilhe esta notícia



Voltar


Copyright 2019 - Todos os direitos reservados - Jornal Volta Grande